Opinião: Memorial Do Convento

Memorial_do_convento_(48ª_edição)

O Memorial Do Convento é um dos livros mais marcantes e populares da obra de José Saramago e um daqueles que, até agora, não tinha lido. Nele Saramago volta a misturar de forma extremamente hábil a história factual de Portugal com história de ficção, neste caso história sobrenatural.

D. João V, no início do século XVIII, promete, após meses de falhadas consumações, construir convento se lhe nascer filho. E assim foi, após engravidada D. Maria Ana Josefa, mero instrumento para que houvesse sucessão do trono, D. João V manda erguer um convento de enormes dimensões em Mafra. Baltasar Sete-Sóis era um soldado que regressava da guerra maneta e no dia em que chega a Lisboa conhece Blimunda Sete-Luas uma rapariga que via a mãe na fogueira da Inquisição por alegada bruxaria. Acabam por ser casados em segredo e contra as ideias da Igreja pelo Padre Bartolomeu Lourenço de Gosmão com que partilham uma amizade profunda.

É então que se descobre que Blimunda consegue ver para além da carne e da terra quando está em jejum, facto que a fez prometer nunca olhar para Baltasar sem quebrar o jejum primeiro. Ela consegue assim ver doenças nas pessoas, fontes de água no subsolo, uma virtude macabra muitas vezes. Ao partilhar esta informação com o Padre Bartolomeu este convence-a a procurar as vontades perdidas das pessoas que encontre pela rua pois ele acredita que é essa a chave para a construção do seu projecto: a Passarola, a primeira aeronave no mundo a efectuar um voo.

Enquanto isto o Convento de Mafra começou a ser construído e os três mudaram-se para lá próximo enquanto continuavam a trabalhar no projecto da Passarola, após um voo triunfal o Padre Bartolomeu desapareceu e Baltasar e Blimunda esconderam e cuidaram da estrutura da aeronava aguardando o regresso do Padre amigo. Baltasar começou a trabalhar, mesmo maneta, na construção do convento, obra grandiosa  e de grande custo financeiro e físico, com homens e animais a perderem a vida em troca da enormidade das suas paredes.

É com mestria que, mais uma vez, Saramago nos confunde o que é real e imaginado, entrelaçando os dados históricos com uma história de amizade, rebeldia, sacrifício e, no final de todas as contas e colocada a última pedra, de puro amor.

Nota: 4/5

GoodReads Link.

Advertisements

1 Comentário

Filed under Opinião, Português, Romance

One response to “Opinião: Memorial Do Convento

  1. Pingback: Lista Dos Livros Lidos em 2013 | LIVROS LIDOS

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s